Queridos e queridas,

Ontem faleceu um colega querido, um relevante professor da Universidade Federal da Bahia, não apenas pela dedicação à docência, mas, sobretudo, pelo modo singular como conduzia sua vida dentro e fora do mundo acadêmico: José Antonio Saja. Esse homem deixou uma herança de afetos, um repertório de gestos carinhosos; deixou muitos amigos e alunos marcados pelo traço de sua delicadeza, na maneira como tratava cada cidadão, cada sujeito que cruzava seu caminho.

Era um poeta dos dias, das horas, das palavras. Sabia produzir sonhos nas trilhas de suas aulas… sabia conduzir reflexões nas esquinas nas quais passava, deixando rastros de pensamentos críticos sobre a condição humana, sobre a sociedade com seus entraves, aves aprisionadas pela ganância e ódio gratuito, contra os quais lutava. Sabia amar as artes e destinou-se, por conta desse enorme desejo que o conduzia, ser professor de estética, com atributos mais ousados do que divulgar correntes filosóficas, pois fazia de seu ofício a própria arte de sua vida.

Os alunos eram ávidos de suas frases. Os amigos contavam com sua doçura, com seu modo especial de tocar no ombro; seu riso leve, ou mesmo um breve relato de algum livro que estava lendo… assim era o cotidiano do professor Saja. Sagrado era seu exercício diário como ser humano, numa práxis incansável de produzir cenas enternecidas de bondade e gentileza.

Fica a lição de como se tornar eterno: o arco de sua vida não se fecha, continua em todos aqueles que tiveram a sorte de tê-lo em suas bancas de mestrado, de doutorado. Ou mesmo dos alunos capazes de sorver sua vontade de beleza como forma de transfigurar o mundo e as pessoas. Ninguém apagará sua existência tão rica e tão generosa. Guardaremos seu silêncio de pássaro adormecido.

O Programa de Pós-Graduação de Artes Cênicas, em nome da coordenação, de todos os docentes, discentes e servidores, lamenta a perda do querido Saja, mas, ao mesmo tempo, agradece por tudo que ele semeou entre nós. O papel dele foi fundamental para construção do PPGAC e enorme a sua contribuição para o desenvolvimento da pesquisa em artes.

Muito Obrigado, Saja!